PAS (ALTAMENTE SENSÍVEL)

PAS ALTAMENTE SENSÍVEL

Por que pessoas altamente sensíveis se tornam os melhores líderes, de acordo com a psicóloga Dra. Elaine Aron

Por Melody Wilding
Tradução: Prof. Marcos Grilo
“Eu ajudo pessoas sensíveis de alto desempenho a prosperar no local de trabalho.”

“Você leva tudo para o pessoal”
“Você precisa ser mais dura”
“Você é muito sensível”

Se você ouviu esses tipos de frases, desde a infância até sua carreira, você pode ser uma Pessoa Altamente Sensível (PAS).

25 anos atrás, a ideia de alta sensibilidade chamou a atenção do mundo quando a Doutora Elaine Aron publicou, o que é hoje sua principal obra, “Pessoas Altamente Sensíveis”.

Nele, Dra. Aron descreve como 20-30% da população possui um sistema nervoso extremamente aguçado que processa informações, tanto interior quanto exteriormente. Simplificando, pessoas altamente sensíveis pensam e sentem tudo de maneira mais profunda – não por serem fracas ou insuficientes – mas por suas genéticas.

Embora a sensibilidade venha com seus desafios (pensamento excessivo e sobrecarga emocional, só citando alguns), é uma força significativa para se ter enquanto líder. Na verdade, estudos ( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4086365/) tem mostrado que pessoas altamente sensíveis (PAS) possuem circuitos neurais e neuroquímicos mais ativos, ligados à área de atenção, ação, planejamento e tomada de decisões, ainda sim, dispondo de intensas experiências internas. Em outras palavras, você tem a profunda capacidade de canalizar seu foco com precisão, ter decisões bem pensadas e provocar boas percepções para trazer boas ideias a alguma pauta. 

Após décadas falando e escrevendo sobre alta sensitividade, Dra. Aron publicou um novo livro chamado “Pais altamente sensíveis, seja brilhante no seu papel, mesmo quando o mundo te sobrecarrega”. A edição do vigésimo quinto aniversário de “Pessoas Altamente Sensíveis” também será lançado ainda este ano.

Sentei-me com a Dra. Aron para compreender mais sobre o impacto do seu livro, sua própria experiência enquanto PAS, e para entender como uma pessoa altamente sensível pode transformar sua sensibilidade em um ponto forte em seu espaço de trabalho.

Melody Wilding:  Seu livro “Pessoas Altamente Sensíveis” está comemorando 25 anos. O que mais te surpreendeu na forma como a mensagem sobre PAS se espalhou e foi recebida? E o que você não previu?

Elaine Aron: Quando eu o publiquei pela primeira vez, 25 anos atrás, eu sabia que isso precisava ser feito. Mas eu não pude prever as repostas de maneira alguma. 

As melhores editoras disseram que (alta sensitividade) era muito específico, e que dificilmente alguém o leria, contudo (meu livro, pessoas altamente sensíveis), imediatamente se tornou um dos livros mais vendidos na lista da San Francisco Chronicle.

Acabou nunca tendo uma publicidade nacional. Foi tudo falado de boca em boca em algumas livrarias. O livro continua vendendo bem até hoje como sempre pois 20-30% da população é altamente sensível.

Eu não tinha ideia que isso aconteceria, mas eu aceitei isso. Eu brinco que sou uma funcionária pública do império das PAS.

Wilding: Como perceber que você era PAS mudou a maneira que você se enxerga, bem como seu trabalho como pesquisadora e autora?

Aron: Eu não gosto mais de ir a conferências. Por causa de minha sensibilidade, eu realmente tento me limitar apenas as coisas mais importantes, como pesquisar e ver maneiras de eficientes de chegar ao público – coisas que eu julgo serem mais valiosas para as PAS saberem. Eu escrevo blogs e ofereço oficinas sobre PAS e cavalos, o que para mim é muito tranquilizante. Eu amo cavalos e estar ao ar livre.

Wilding: Como você viu a sensibilidade ser um ponto forte em sua carreira? As pessoas costumam pensar na sensibilidade como uma coisa ruim – algo de que desejam se livrar.

Aron: Eu não vejo a sensibilidade como algo ruim. Para mim, é apenas uma palavra explicativa que descreve por qual razão eu fiz certas escolhas. Por exemplo, não gostar do meio acadêmico, que é um mundo muito difícil e competitivo.

Quanto a minha força, eu diria que é intuição. Eu defino intuição como saber o que você sabe sem sempre saber como você sabe disso. Então por exemplo, eu tendo a saber o que é importante ler ou pesquisar. Eu tendo a achar a informação que eu preciso facilmente. Quando eu pesquiso, eu geralmente já sei as respostas e quais perguntas fazer. É quase sobrenatural. Ou em meus escritos, muitas vezes eu sei intuitivamente o que as pessoas querem ler ou saber sobre.

Pessoas altamente sensíveis possuem uma forte intuição por causa que sua profundidade de processamento é alimentada por emoção. Nós não processamos algo que não nos importamos.

Wilding: Quais ferramentas e práticas mais te ajudaram a gerenciar sua sensibilidade? Para s PAS o ambiente é muito importante, então como você funciona melhor quando está trabalhando em casa?

Aron: Minha casa é cercada por natureza e eu passo muito tempo lá fora. Adora fazer caminhadas para ouvir os pássaros. Eu e meu marido caminhamos 3 vezes na semana.

Contudo, de longe, a prática mais importante para mim tem sido a meditação transcendental* [*link: https://hsperson.com/types-of-meditation/] (MT), eu não perco um dia. Eu tiro uma semana do mês para retiros de MT. Acredito que se você estiver descansada e calma por dentro, poderá trabalhar melhor em menos tempo. Frequentemente, tenho boas ideias durante ou depois de meditar.

Também acho que o trabalho autônomo é bom para pessoas altamente sensíveis. Acho que somos empreendedores naturais. As PAS podem prosperar em um ambiente de escritório, mas somente se tiverem uma equipe muito, muito solidária.

Wilding: Sim, eu entendo isso perfeitamente e vejo isso no meu trabalho também. Pessoalmente, como PAS, me puni por muito tempo porque me sentia deslocado no local de trabalho.

Aron: Sim, por isso é importante reestruturar seu passado. As PAS precisam enxergar que suas reações são normais para verem os lados positivos (das características), e assim começar a fazer o uso dela.

Wilding: Como você vê que a alta sensibilidade, normalmente aparece nas pessoas em seus trabalhos? Quais os desafios mais comuns?

Aron: pessoas sensíveis costumam ser vistas no trabalho como aquelas que estão estressadas e ansiosas – aquelas que as pessoas vêm e dizem: “Oh, ela é tão sensível. Ela não aceita nenhuma crítica. ”

As pessoas sensíveis que possuem alto desempenho não são tão notadas e, para essas pessoas, o céu é o limite. A pesquisa é muito clara sobre nossas capacidades, incluindo empatia. PAS de alto desempenho geralmente só são reconhecidos porque amam sua solidão.

Só agora estamos vendo as empresas notarem as diferenças individuais. As PAS precisam de um ambiente de trabalho de pouco incentivo, e o feedback deve ser dado de uma maneira específica. Se as empresas dessem mais atenção as PAS e suas necessidades, elas provavelmente, teriam seus melhores funcionários.

Wilding: Quais vantagens você acredita que pessoas altamente sensíveis trazem aos espaços de trabalho, especificamente em cargos de lideranças?

Aron: John Hughes escreveu em seu artigo no LinkedIn (https://www.linkedin.com/pulse/20140903182945-1552470-3-reasons-hsps-make-better-leaders/) , descrevendo as 3 habilidades especificas que ele acredita que as PAS deveriam ser líderes. Sendo líderes excepcionalmente eficazes.

O primeiro é “Sutilezas”. Ele diz: “As PAS absorvem tudo que acontece ao seu redor, especialmente as sutilezas que os outros tendem a perder. As PAS vivem em um mundo de constante bombardeio sensorial. Palavras. Conversas. Comunicação não verbal. Movimento. Sons. Cheiros. Emoções. Tudo é absorvido. Embora possamos facilmente ficar sobrecarregados às vezes e nos sentirmos forçados a recuar para um segundo plano ou até mesmo abandonar uma causa. Absorver as sutilezas dos ambientes é uma capacidade de liderança inestimável.”.

O segundo é o processamento sobre a ação. Hughs diz: “As PAS preferem naturalmente processar as informações que receberam ao invés de agir e falar … Os membros da equipe se sentem mais valorizados porque têm permissão para falar e contribuir livremente, sem a perspectiva de serem interrompidos por um líder ansioso demais para promover suas próprias ideias ou levar adiante seus objetivos. As PAS estão mais bem munidos para liderar porque naturalmente ficam em segundo plano, permitindo que os membros da equipe falem, compartilhem e brilhem livremente.”

E por último é a ressonância. Hughs diz: “Os líderes ressonantes parecem dizer e fazer a coisa certa na hora certa. Isso não é sorte ou mágica, é sua capacidade inata de sentir profundamente, processar ricamente e considerar pacientemente as palavras e ações certas no momento. As PAS fazem isso. Naturalmente.”

Além disso, uma coisa que percebi é que se as PAS alcançam posições de liderança, a tendencia é ser mais estressantes para eles.

Wilding: O que você acha que as pessoas não entendem ou interpretam mal sobre PAS?

Aron: Reconhecendo-os. Além disso, as pessoas geralmente valorizam o que as PAS colocam em pauta, mas elas não entendem o que as PAS necessitam. Por exemplo, é importante é compreender que as PAS recebem feedback muito seriamente. Elas se desenvolvem com um feedback formulado positivamente Se você falar muito, elas ponderar sobre isso e refazer tudo, ao invés de apenas ajustar o que precisa ser mudado.

Wilding: Você tem um livro que será lançando em breve sobre pais altamente sensíveis. Como pais altamente sensíveis simultaneamente equilibram as demandas do trabalho e de casa sem se sentir sobrecarregados e super estimulados?

Aron: A paternidade pode ser superestimulante. Os pais com PAS precisam de ajuda adicional para lidar com isso. Não se compare aos superpais por aí. E descanse o suficiente.

Wilding: Você já viu os pais se dedicando ao trabalho como uma distração para lidar com a superestimulação? Eu vejo isso o tempo todo em meu treinamento – onde PAS trocam uma forma de superestimulação por outra.

Aron: Sim. O truque é não levar trabalho para casa. Quando você está com seus filhos, esteja totalmente com eles. Quando você está com seu trabalho, esteja totalmente com ele. Você também precisa de um tempo de inatividade porque, caso contrário, você se desgastará. Esse tempo de inatividade também permite que você seja mais criativo. Isso dá a você um período de incubação para ter novas ideias. Essa é uma vantagem das PAS – elas absorvem muitas informações e vinculam as coisas de formas interessantes. Portanto, o tempo de inatividade compensa.

Wilding: Se você pudesse ter um outdoor/placa em algum lugar, o que estaria escrito?

Aron: Dê um passo para trás, mergulhe em si e veja o quadro geral.

Wilding: O que mergulhar significa para você?

Aron: Silenciar-se, sossegar. Eu acredito que existem dois sistemas nervosos. Se você age com sua parte calma, logo suas ações serão mais sábias. Não reaja de maneira instintiva. Pessoas sensíveis tendem a observar todas as maneiras que as coisas poderiam dar errado e isso as fazem ansiosas. Eu não acho que pensar positivamente irá servir realmente para a maiorias das pessoas sensíveis. Elas têm que prosseguir e pensar o que elas vão pensar de qualquer maneira e então olhar para o quadro geral. Dê um passo para trás e pergunte-se: “qual a probabilidade de isso acontecer? E o quão ruim seria tudo isso? “

Fonte: https://www.forbes.com/sites/melodywilding/2020/04/13/why-highly-sensitive-people-make-the-best-leaders-according-to-a-psychologist/?sh=1f2f2595db92


Compartilhe essa informação

Comentários