A nossa criança interior precisa de atenção

Entrar em contato com a criança interior é uma das formas de integrar o passado com o momento atual. Eu chamo de “presentificar” o passado. Quando curamos feridas antigas, abrimos espaço para o amor. Todos nós temos uma criança interior que necessita de atenção.

Para uma melhor didática, podemos considerar quatro tipos de criança interior;

1) Criança feliz, natural ou mágica. Essa é a criança na sua inocência básica, sonhadora e brincalhona. A criatividade é a sua companheira e a coragem o seu apoio. Ela era ouvida, amada e vista.

2) Criança adaptada. Essa criança foi resiliente e aprendeu muito com a observação. Achou saídas para as suas dores e assim sofreu menos. Encontrou os seus próprios meios para a felicidade, uma vez que isso não estava disponível.

3) Criança exilada. Essa criança foi mais triste ainda que a criança adaptada. Ela passou a maior parte do tempo sozinha, precisou se separar emocionalmente do meio que a cercava para sobreviver. Era melhor não ser vista, não fazer alarde.

4) Criança ferida. Essa criança foi machucada fisicamente e/ou emocionalmente e teve medo. Sua dor não foi curada e nem legitimada. Essa for pode ter ocorrida de forma pontual ou foi uma constante na vida dessa criança.

No que a prática do mindfulness pode ajudar?

O mindfulness é um treinamento corpo-mente.  Estar no aqui e no agora é essencial para a autopercepção: pensamentos, dores, dificuldades, crenças etc. O que de mim hoje tem relação com a minha infância? Quais as dificuldades de relacionamentos que tenho? Qual a relação dessas dificuldades com a minha infância? Seria algum comportamento aprendido nesta época? Alguma coisa que fizeram comigo ou que eu vi que alguém fez com outra pessoa?

Com a prática do mindfulness podemos ressignificar o passado através da observação. Com essa prática ganhamos clareza mental para compreender todo o processo. Isso não vai mudar o que aconteceu, mas lhe permite sair do papel de vítima e assumir o de protagonista.

Uma linda experiência é a meditação do resgate da criança interior. Nessa prática observamos a nossa criança e nos aproximamos. Podemos conversar com ela, perguntar o que está acontecendo, secar lágrimas, oferecer um abraço. Dizer: eu te ouço, eu te vejo, eu estou aqui por você.

Se quisermos melhorar nossos relacionamentos é necessário curar a criança interior. Ofereça segurança e amor. Todo ser humano busca o amor e nunca é tarde para suprir essa demanda.

Neusa Tamaio

Criadora do @jardim_consciente, instrutura de mindfulness e psicoterapeuta Hakomi em formação.

Compartilhe essa informação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Comentários